quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Colaboradores

Poderá parecer presunção minha, mas não deixarei de referir que, muito antes da tanga do Durão Barroso ou do ataque das agências de reitingue (uma pequena contribuição minha para a modernidade em economês), eu já tinha previsto uma terrível crise económica para Portugal. Não sou minimamente entendido em macroeconomia e desconfio de praticamente todos os que se dizem entendidos, mas indícios fortes me mostravam que a tal crise se aproximava. E não me baseava em crença ou superstição, pois a única que tenho é a de achar que não as tenho.

A história começa com um telefonema anunciando a oferta de um ano de assinatura de uma revista chamada Exame e que, nas palavras de quem me tentava aliciar, era praticamente irrecusável. Desde tenra idade me instruíram a não aceitar ofertas de estranhos, mas daquela vez, talvez por no meu subconsciente pairar a ideia de que Exame era o nome de uma revista dedicada aos problemas da avaliação no Ensino Superior, aceitei a oferta de um ano de assinatura gratuita dessa tal revista. Devo aqui abrir um parêntesis para justificar o aparente delírio do meu subconsciente, deixando claro que, à data, a faculdade onde eu trabalhava permitia tantas variantes para épocas de exame que a existência de uma revista especializada no assunto não era, em si, uma ideia completamente estapafúrdia. De acordo com o meu subconsciente, é claro.

Quando mais tarde tomei conhecimento de qual era a especialidade da revista, imediata e levianamente concluí que, na melhor das hipóteses, a revista não me interessava — cheguei até a pensar anular a generosa oferta. Claro que estava equivocado. Com o tempo fui-me apercebendo de que o meu linguajar economês aumentava em flecha e a minha intuição sobre o futuro económico da nação aprimorava significativamente. Foi precisamente a questão linguística que mais me impressionou — até porque da minha evolução intuitiva só mais tarde tive consciência. Para ultrapassar barreiras de linguagem, recorro normalmente a um dicionário. No caso dessa revista, e apesar de se chamar Exame — e não Exam — e os textos virem supostamente escritos em português, precisava de uns dois ou três: o de inglês, o de inglês-português e, nos casos mais intrincados, o de português. Desde a adolescência que não sentia tanta evolução no nível do meu inglês.

No que ao linguajar diz respeito, e ignorando a pertinente questão do idioma, duas ideias fundamentais me chamaram a atenção. Em primeiro lugar, surpreendeu-me a ousadia dos gestores e administradores portugueses que agora se dizem CEOs. Tanto relógio Rolex, tanto carro topo de gama e vida faustosa num país à beira da penumbra — já na época... — e ainda se autoproclamam de CEOs? Não encontram na língua portuguesa palavra mais adequada do que essa homófona daquela que logo lembra ao comum dos mortais viverem os gestores em algo muito parecido com o paraíso? Recomendaria mais discrição nessa designação, pois não é necessário — nem prudente — imbuírem a terminologia da ideia de que levam uma vida celestial. Para o povo — sempre invejoso para com os bem-sucedidos — já basta saber que a elite económica tem fantásticos rendimentos em salários, prémios, cartões de crédito, fugas ao fisco e ajudas do estado.

Mas o que mais me surpreendeu — e decisivamente contribuiu para eu desenvolver a percepção de que a terrível crise se aproximava — foi, edição após edição, ir constatando que as nossas empresas atualmente se dividem tão-somente em CEOs e colaboradores. Agora não há funcionários nem trabalhadores. No máximo do mais trabalhoso, presta-se colaboração em alguma empresa. Em part-time, imagino eu, ou quando sobra tempo entre passatempos. Seria necessária muita genialidade para intuir que a economia do país inevitavelmente entraria em colapso?

1 comentário:

  1. Pois é caro amigo José,

    Concordo contigo em género, número e grau!

    Após as privatizações feitas pelo estado das grandes empresas nacionais começaram-se a usar nomes pomposos para os Presidentes Executivos dessas mesmas empresas serem identificados no exterior, como CEO.

    Mas como a vaidade e a inveja lusitana é enorme, os Administradores e Directores dessas e outras empresas de expressão mais pequena, quiseram também serem chamados de CEO.

    O certo é que muitos deles Executam... Executam a desgraça da empresa com má gestão e falências fraudulentas.

    Os funcionários e/ou empregados como outrora se chamavam, são agora chamados de Colaboradores por esses falsos CEO. talvez porque funcionários e /ou empregados sejam agora termos conotados com o sector fabril e de limpeza. Quem trabalho no sector dos serviços, na opinião deles, deve ser chamado de Colaborador.

    A parte mais engraçada de tudo isto é que nos recibos de vencimento, consta nos mesmos a designação de:

    Empregado nº XXXXXX

    Categoria: Administrador

    ResponderEliminar