segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Carta aberta a Mira Amaral

Ex.º Senhor
Dr. Eng.º Mira Amaral,

Sabendo de antemão que o senhor tem habilitações académicas em Engenharia e Economia, e na dúvida sobre qual o título onde recai a sua preferência, optei por brindá-lo com os dois. Estamos em época natalícia e não devemos poupar na generosidade para com os outros, não é mesmo assim?

Mas é precisamente devido a uma certa falta de generosidade da parte do Sr. Dr. Eng.º que resolvi escrever-lhe. São já diversas as vezes que o ouço nos meios de comunicação social apregoando as suas doutas verdades, de forma genérica e abstrata, sobre o mau comportamento profissional dos portugueses. Hoje de manhã foi na Antena 1. Chamado a pronunciar-se sobre os feriados (e algumas prováveis pontes) de 2011 e os mais do que previsíveis malefícios desses ociosos dias para a nação, afirmava o Sr. Dr. Eng.º, em tom de mandamento do dia, que os portugueses devem "trabalhar mais e melhor", ao invés de continuarem numa vida "calma" e "doce". Assim, sem meias palavras nem exceções, a frio (como o tempo).

Coincidiu estar eu, nesse preciso momento, na padaria da esquina a comprar o pão da manhã. Em simultâneo, observava o Sr. Silva, padeiro em torno dos seus 50 anos, por detrás do vidro que separava a área de produção da área de venda. Era segunda-feira, manhã cedo, e ele acabava de passar mais uma noite amassando e cozendo o pão que muitos como eu iriam comer. Tinha o ar de alguém profundamente cansado. As palavras do Sr. Dr. Eng.º fizeram-me pensar na vida profissional daquele homem que eu observava do outro lado do vidro, num local confinado e quente, suando abundantemente, apesar do rigoroso inverno que se fazia sentir lá fora. Pensei em como, seguindo a sua douta opinião, poderia resgatá-lo daquela vida "calma" e doce" e fazê-lo "trabalhar mais e melhor". Confesso que, nas condições em que vi o Sr. Silva, não vislumbrei até agora outra forma de seguir o mandamento do Sr. Dr. Eng.º sem que tivesse que o sujeitar a algo mais do que humanamente razoável. E, da mesma forma que aqui  refiro o caso específico do Sr. Silva da padaria, poderia também referir muitíssimos outros casos de profissionais sérios e competentes a quem, sem exceção, acabam sendo dirigidas as suas palavras.

Perdoe-me se, na minha modesta posição, respondo a uma afirmação genérica, resultante de ato ponderado de alguém tão bem recompensado financeiramente pela nação, com o caso específico de um profissional remunerativamente tão insignificante como o padeiro. Mas, convenhamos, na mesma medida em que peco pela especificidade do exemplo que contraponho a uma afirmação genérica e abstrata, peca também o Sr. Dr. Eng.º pela leviandade com que atesta a malandrice e incompetência de muitos casos como o que aqui especifico. A grande verdade é que pouco importa quem mais peca, pois estamos em época de Natal e ambos seremos facilmente perdoados.

Mas vamos ao que considero realmente importante e me motivou a escrever esta carta. Dado o à vontade com que o Sr. Dr. Eng.º se movimenta em Portugal, tanto no meio económico-financeiro como no meio político (perdoe-me a redundância, trata-se apenas de uma figura de estilo para reforçar a direção do meu apelo), rogo-lhe, encarecidamente, que se reúna com alguns dos seus amigos mais competentes para redigirem umas diretivas mais precisas sobre o sentido em que devemos avançar: setores improdutivos, profissionais incompetentes, malandros de cada setor e terapia específica. Uma espécie de tábua da lei para o avanço de Portugal. Há-de convir que afirmações genéricas sobre a malandrice e a incompetência de um povo têm o sério defeito de desmotivar quem já trabalha a preceito (o Sr. Silva da padaria, por exemplo). Numa primeira fase, não precisam de ser muito exaustivos, basta uma meia dúzia de setores. Depois, seguindo o saudável hábito dos meios onde o Sr. Dr. Eng.º tão facilmente se movimenta, cria-se um instituto específico, nomeia-se uma boa dúzia de gestores públicos com horário leve e principesca remuneração (estímulo necessário para a boa execução das suas tarefas) e a coisa fluirá.

Escusado será pedir-lhes que cumpram a tarefa com honestidade e competência, pois sei perfeitamente que o Sr. Dr. Eng.º e os seus pares colocam sempre esses atributos em tudo que fazem e dizem, principalmente quando é em prol do bem público. Contudo, não ficaria de bem comigo mesmo se não lhes pedisse para, nas muitas variáveis que serão forçados a considerar num estudo sério deste tipo, levarem em consideração que as capacidades de trabalho deste malandro e incompetente povo (refiro-me à arraia-miúda, não às elites, claro) são frequentemente apreciadas pelos gestores das empresas nos sete cantos do mundo para onde costumam emigrar.

A todos um bom Natal!

3 comentários:

  1. Certo é que 2011 tem 14 feriados e quase outras tantas pontes ou fins de semana longos, como por exemplo 10,11,12 e 13 Junho ou o feriado de S.João. Não contando com cada concelho que tem o feriado Municipal...

    Se cada português fizer ponte e gozar os dias de férias a que tem direito por lei, só trabalhará em 2011, 221 dias...

    Para que servem ou a quem servem os feriados do 10 Junho ou feriado do 5 Outubro ou feriado do 1 Dezembro?

    ResponderEliminar
  2. De tanto falar mal de feriados, parece-me que o Sr. Alex deve ser um daqueles patrões que deseja o modelo chinês para a economia portuguesa.

    Mais certo certo é que um trabalhador só faz ponte se o deixarem fazer...

    ResponderEliminar
  3. Caro Senhor Anónimo,

    Infelizmente tenho muita pena que o maior patrão nacional proporcione aos seus empregados, chamados de funcionários, o gozo das pontes (estas não construídas por um qualquer engenheiro) e também o gozo de tolerâncias de ponto, como por exemplo visitas papais e natais ( leia-se nato)...

    Para esses em 2011 os dias de trabalho (funcionamento) serão 221 dias, para os restantes dos mortais trabalhadores e patrões serão mais.

    ResponderEliminar