domingo, 12 de dezembro de 2010

Entre o garrote e a intervenção cirúrgica

O garrote foi um método de execução introduzido em Espanha no início do século XIX. Consistia esse método em colocar uma ligadura, corda, arame, ou similar, em torno do pescoço da vítima e apertar até ao estrangulamento. Hoje em dia, o garrote é apenas um artifício de primeiros socorros visando a compressão de um membro corporal afectado por uma hemorragia grave. Trata-se de um recurso extremo, que deve ser aplicado com grande precaução e por um curto período de tempo, até que intervenção cirúrgica possa ser assegurada.

Em sentido metafórico, não será difícil conceber a aplicação de garrotes nas mais diversas situações. Assim podemos considerar os casos da intervenção militar nas favelas do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, e as medidas de austeridade financeira aplicadas a algumas faveladas economias europeias. Lá, como cá, houve nos últimos anos traficantes confortavelmente instalados no alto do morro, de lá ditando leis sobre um território aparentemente sem lei e perante a complacência daqueles que tinham por obrigação controlar o espaço. Traficantes de droga, no caso carioca, e traficantes da alta finança, no caso europeu. Aplicar um garrote a qualquer uma destas zonas problemáticas e deixá-la a definhar é sempre uma opção fácil, se não houver preocupação com o dia seguinte. Difícil é ter engenho e arte para reunir os meios indispensáveis de complementá-la com uma intervenção cuidadosa visando sanar a origem do mal.

No caso carioca, foram vários os governadores que passaram pelo estado do Rio de Janeiro e prolongaram o abandono a que vinha sendo deixado o povo nas favelas, constantemente oprimido pelo poder bélico (entenda-se lei) dos traficantes de drogas. Cabe o grande mérito na mudança de rumo ao atual governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, em colaboração com o Ministro da Defesa brasileiro, Nelson Jobim. Resulta já dessa ação algumas dezenas de traficantes neutralizados e uns quantos que escaparam pelo esgoto. Ficará para o futuro um morro mais limpo, que proporcionará uma vida mais digna a uma larga maioria de gente trabalhadora e honesta que durante todo este tempo tem habitado a favela.

No caso europeu, dada a complexidade do emaranhado poder da União Europeia e a necessidade de uma posição firme para "acalmar os mercados", seria quase inevitável que o comando de uma bem sucedida intervenção financeira ficasse a cargo de um dos líderes das quatro grandes potências que integram a União. Quase por exclusão de partes (e alguma vontade própria), essa responsabilidade acabou por cair nos ombros de Angela Merkel. Nicolas Sarkozy, ainda no rescaldo de uma lua-de-mel, e a braços com inúmeros problemas internos causados por um povo reivindicador e contestatário, mostrou-se sem tempo para esse papel; Silvio Berlusconi, pública e reconhecidamente vivendo numa onda de consecutivas luas-de-mel, menos tempo tem ainda; David Cameron, fiel aos preceitos da velha política britânica, quer primeiro resolver os problemas da ilha, depois os problemas da ilha e, só no final, os problemas da ilha  apesar de algumas singularidades vigentes na ilha, os dias por lá continuam a ter apenas 24 horas.

A tarefa sobrou inevitavelmente para a zelosa chanceler alemã, aquela que é descrita pelos diplomatas americanos como "contrária à tomada de riscos e raramente criativa". Se, numa primeira fase, é plausível admitir-se a adoção do garrote como solução de emergência para acudir ao sangramento das problemáticas finanças de alguns países da União, urge também que esse seja complementado com uma minuciosa ação cirúrgica, de modo a fazer descer pelo esgoto os traficantes da alta finança e, ao mesmo tempo, assegurar dias melhores aos habitantes das zonas afetadas, vítimas maiores dos ímpetos gananciosos desses mesmos traficantes. Contudo, Angela Merkel tarda em dar mostras de querer aliviar o garrote que, aplicado de forma cruel e cega, estrangula as já deprimidas economias e, inevitavelmente, acabará por causar sérios danos às zonas financeiramente mais problemáticas.

E assim vai  uma parte significativa do nosso mundo nos tempos que correm: entre a cirúrgica intervenção militar nas favelas do Complexo do Alemão e o garrote financeiro aplicado às faveladas economias europeias sob comandado da simplista alemã.

1 comentário:

  1. Depois de tudo dito e escrito, só me ocorre uma palavra....

    Y€$

    ResponderEliminar