segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Praticamente sem saída

Você, que já alguma vez firmou contrato de entrega corporal e afetiva com dedicação exclusiva a uma mulher, sabe como é difícil manter esse contrato em condições saudáveis. Mesmo que tenha a ficha cadastral sempre impecavelmente limpa em pensamentos, palavras, atos e omissões, chegará inevitavelmente o dia em que sofrerá alguma acusação. Não se iluda, encontrar indícios de criminalidade punida por lei com base no contrato em vigor é uma das missões da mulher na relação conjugal. E os possíveis indícios são tantos, que o mais prudente é tentar manter sempre muito bem fechado o flanco das prováveis investidas pidescas da sua companheira.

Se já tem experiência no ramo, sabe perfeitamente que há palavras que não podem nunca ser proferidas. Na pior das categorias estão os nomes. E no ponto mais alto da perigosidade está o nome daquela sua amiga que quase deu caso, todos sabem perfeitamente que é pretérito mais-que-perfeito, mas a sua mulher prefere sempre pensar que ficou mal resolvido. Na categoria imediatamente a seguir vem o lote das mulheres proibidas. Proibidas pelo seu contrato de entrega corporal e afetiva, mas, principalmente, porque você nunca terá arcabouço para conseguir sequer chegar perto de alguma delas. Mas não se iluda, nem assim está protegido: aos olhos da sua mulher você é substancialmente melhor do que a realidade!

Uma das últimas a entrar para essa galeria de mulheres proibidas foi a Rita Pereira. Salvo o caso de ter andado a seguir as novelas da TVI nos últimos anos (trata-se de uma mera situação hipotética, pois sei perfeitamente que você não é desses), se em casa tiver o descuido de proferir esse nome, a sua situação ficará bastante complicada. A partir daí tem algumas saídas:

Saída nº 0: você diz que tem uma colega de escritório com esse nome. A parte do cérebro feminino capacitada para deduzir que no seu escritório não teriam a menor condição financeira para contratar a Rita Pereira bloqueia instantaneamente a estímulos de pavor. Esqueça essa saída.

Saída nº 1: você diz que ouviu falar dela no escritório, mas não viu o vídeo. Não tente menosprezar a inteligência da sua mulher. Acha que ela acredita que logo você, que usa o YouTube por tudo e por nada, iria deixar passar uma dessas? A mentira é o pior dos defeitos numa relação conjugal.

Saída nº 2: você diz que ouviu falar dela no escritório e viu o vídeo, mas achou-a demasiado vulgar. A vulgaridade não é nunca assumida pela mulher como algo não atraente para um homem. O cinismo é, a par da mentira, o pior dos defeitos numa relação conjugal.

Saída nº 3: você diz que ouviu falar dela no escritório, viu o vídeo e gostou, mas continua a preferir a sua mulher. Nesse caso, ela vacila por três segundos, mas logo reage na plena consciência de que a  hipocrisia é, a par da mentira e do cinismo, o pior dos defeitos numa relação conjugal.

Em suma, se você tiver o descuido de mencionar o nome da Rita Pereira no recesso do seu lar, terá um sério problema para resolver. Metaforicamente, será uma daquelas situações muito frequentes em filmes, onde um fugitivo entra numa rua bloqueada por uma cerca que só com muita destreza consegue pular. Convenhamos, pular a cerca não é das coisas mais recomendáveis para consertar o que quer que seja numa relação conjugal. Por segurança, evite até falar de mulheres que tenham no nome Rita... ou Pereira. E, por segurança máxima, evite mesmo falar em pera. Associação de ideias é uma das coisas mais assustadoras no sexo feminino!

2 comentários:

  1. É com alguma vergonha (não muita) e com algum humor (não há como não rir das inevitabilidades da vida) que me declaro: guilty as charged (as a woman, neste caso)!
    Gostei deste texto.

    ResponderEliminar
  2. Excelente Pereira, com duas boas Pêras Rainha...


    INGREDIENTES
    Para a Pêra
    01 pêra
    200 ml de vinho branco seco
    03 talos de capim santo
    500 ml de água
    Gengibre

    Para a calda de framboesa
    50 g de geléia de framboesa
    100 ml de suco de laranja
    2 colheres de açúcar
    Um cálice de cointreau.

    MODO DE PREPARO
    Pêra - Coloque 500ml de água em um recipiente, adicione o vinho branco, o gengibre, o capim santo e a pêra descascada. Aguarde o cozimento.

    Calda de framboesa - Misture tudo e leve ao fogo por 10 ou 15 minutos. Depois é só preparar o prato e servir.

    MONTAGEM
    Coloque a calda quente sobre um prato. Em seguida, a pêra sobre a calda em temperatura natura.

    ResponderEliminar