segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O Beaujolais Novo chegou!

Que os franceses têm uma relação muito especial com o vinho eu já sabia. Não tinha era noção de algumas variantes nas manifestações dessa relação afetuosa. E não se pense que a afetuosidade é dedicada apenas às castas mais nobres, pois até o Beaujolais, vinho produzido numa região com o mesmo nome, situada ao norte de Lyon, em geral sem qualidades que o guindem a patamares muito elevados, tem direito a honrarias. Por ser um vinho que deve ser bebido jovem, tem a seu favor a primazia na chegada às lojas, escassos dois meses após a colheita. E manda a tradição que a sua chegada seja anunciada com a frase «le Beaujolais Noveau est arrivée!». Desconhecendo o ritual em torno do Beaujolais Novo, há dias fui vítima da minha própria ignorância, primeiro metendo os pés pelas mãos e depois tendo que meter a mão no bolso.

Cena 1: os pés pelas mãos.
Quarta-feira, 16 de Novembro.
Passando por um pequeno supermercado próximo da minha residência marselhesa já perto da hora do fecho, noto uma mesa estrategicamente colocada junto à entrada, onde alguém arrumava cuidadosamente sobre essa mesa garrafas de várias marcas de Beaujolais Novo. Notando que se tratava da colheita de 2011, pareceu-me boa ideia levar uma ou duas garrafas para casa. Como a nível de preços não havia muita variedade, deixei-me levar pelo poder de atração de um dos rótulos e peguei (erro 1) uma das garrafas. Prontamente, fui repreendido pelo sujeito que arrumava essas garrafas sobre a mesa: só podia comprar desse vinho no dia seguinte. Saí de lá conjeturando que as garrafas não estavam ainda catalogadas para venda (erro 2). Mais tarde vim a saber que a comercialização do Beaujolais Novo começa religiosamente na terceira quinta-feira de novembro. Que profano tentei ser!

Cena 2: a mão no bolso.
Quinta-feira, 17 de novembro.
Saindo com uns amigos (não franceses) para jantar num restaurante, aprecebemo-nos de um movimento anormal em frente a algumas lojas de vinhos na cidade, com mesas sobre a calçada e taças para degustação. Degustação de quê? Do Beaujolais Novo, bien sûr! Chegando ao restaurante, um folheto sobre cada mesa anunciava a presença do ansiado Beaujolais Novo naquele restaurante. Gerada a expectativa, perante a sugestão do empregado para tomarmos daquele vinho, nem paramos para perguntar o preço (erro 3). Sabendo que o Beaujolais não era normalmente vinho para preços muitos elevados (erro 4), a imprudência não podia ter sido muito grande (erro 5). Felizmente, antes de pedirmos a terceira garrafa alguém teve  a sensatez de perguntar o preço. Devo dizer que após termos sido informados dos 27 euros que custava cada garrafa saboreei com outro respeito um último trago que restava no meu copo. Saímos do restaurante com a conta significativamente afetada pelo preço do vinho, mas com a boa sensação de termos tomado um Beaujolais Novo muito especial. Se há prazeres que não se explicam, este foi provavelmente um deles!

Epílogo.
Sexta-feira, 18 de novembro.
Sabendo que, agora sim, estava autorizado a levar para casa o Beaujolais Novo, no fim do dia passei novamente pelo pequeno supermercado perto de casa. Dada a pouca sofisticação do local, nem por sombras muito otimistas esperava ver lá (erro 6) um Beaujolais Novo tão especial quanto o tomado na véspera (a 27 euros a garrafa, é bom lembrar). Mas, para meu grande espanto (entre outras sensações...), nem precisei de procurar muito para facilmente notar a mesmíssima garrafa do vinho tomado no restaurante, agora pela módica quantia de aproximadamente cinco euros! Considero normal tomar vinho num restaurante a duas ou três vezes o seu custo nas lojas, mas esse Beaujolais Novo foi multiplicado por um fator muito próximo dos 5.5. Levando apenas em conta a valorização entre o supermercado e o restaurante, é seguramente o vinho mais fantástico que alguma vez tomei!

6 comentários:

  1. Eu sabia que devia haver uma boa razão para ter emigrado para França e paradefender o Sarkozy!!! Tá explicado!!!
    Agora que troque um bom Douro por um Beaujolais qualquer, isso é imperdoável!!!!!!!!!MIN

    ResponderEliminar
  2. Nessas coisas eu nunca troco nada... Só acrescento!

    ResponderEliminar
  3. Que saudades deste dia...era sempre muito divertido...Temos que instaurar por cá um dia parecido.

    ResponderEliminar
  4. Pois é, Filipe, não temos nada semelhante... Podíamos começar algo com o Alvarinho Novo! ;)

    ResponderEliminar
  5. Ora está aí uma boa ideia a explorar... Alvarinho novo! Para quem não aprecia vinho.Somente o Alvarinho, faz parte da pequena lista de vinhos que consigo beber.
    Claro está que não preciso de dizer para quem sobra a condução após um jantar, ou almoço bem regado... ;)

    ResponderEliminar
  6. Tempos houve em que comprávamos o Beaujolais Novo todos os anos, havia um supermercado aqui na Alemanha que o vendia. Deixou de o fazer e nunca mais procurámos.

    Por aqui, também existem essas disparidades nos preços do vinho. Paga-se, num restaurante grego, quase 20 euros por um vinho que, no supermercado, não chega aos 4!!!

    ResponderEliminar