quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Ciúmes retroativos

«Oh ciúme! Tu magnificador de ninharias»
F. Schiller

Mesmo sabendo que a malfadada crise que atinge o país se propagara até à falta de neve na Serra da Estrela, os três casais não deixaram de cumprir a tradição de se deslocarem umas centenas de quilómetros para celebrarem a Passagem de Ano lá no alto da nação. Depois de uma tarde bem passada a deslizar ladeiras abaixo  —  com a força da gravidade, a escassez de neve acaba por ser um mero detalhe  —  em trenozinhos de plástico, foi no hotel da praxe que contaram as badaladas e as passas e perderam a conta às bebidas. Eles já se encontravam razoavelmente ébrios quando elas sugeriram que recolhessem aos aposentos. Era obviamente cedo para eles. Resistiram. Acabaram por subir elas. Eles ficaram a tentar aproveitar até à última gota.

Já não se lembravam muito bem porquê, mas sabiam que o momento era histórico. Quiçá para assinalá-lo de forma inolvidável, começaram a fazer algumas revelações surpreendentes. Primeiro foi o Belmiro:
— Lembram-se daquela professora jovem de francês? Uns anos mais tarde encontrei-a numa festa e beijei-a.
— Tu também?!  —  ripostou o Abílio.
A risada provocada foi interrompida pela revelação do Cardoso que, empolgado, quis ser ainda mais surpreendente:
— E eu beijei a Rosinha!
A Rosinha? A Rosinha é a mulher do Abílio!

O Cardoso nem precisou de ver as expressões do Abílio e do Belmiro para ter ficado com a sensação de que talvez tivesse sido uma idiotice ter feito aquela revelação. O Belmiro teve a certeza de que a revelação do Cardoso foi uma idiotice. E o Abílio, colhido de surpresa, ficou por breves instantes a pensar se fingia não ter ouvido a idiotice do Cardoso ou lhe saltava ao pescoço. Antes que o Abílio tomasse a decisão de saltar ao pescoço do Cardoso, o Belmiro, que sabia do episódio, tentou amenizar:
— Ah, Abílio, eram dois adolescentes. Ciúmes retroativos não fazem sentido!
— É!  —  enfatizou o Cardozo.
Ninguém sabe o que ficou na cabeça do Abílio, mas uns copos a mais ajudaram-nos a contornar a delicada situação.

Na manhã seguinte, a Rosinha estranhou ver o Abílio deitado na cama durante largos minutos com o olhar fixo no teto.
— Que se passa?
— Tu e o Cardoso...
— O que é que tem?
— Já vos beijastes?
— Como?!
— Responde!
— Éramos dois adolescentes...
— Não sabia, podias ter contado.
— Ah, Abílio, ciúmes retroativos não fazem sentido!
O Abílio pareceu concordar: ciúmes retroativos não fazem sentido.

Contudo, pelo sim pelo não, quando desceram para tomar o pequeno-almoço com os outros dois casais, o Abílio fez com que a Rosinha e o Cardoso não se sentassem lado a lado. Nem frente a frente. Na frente do Cardoso sentou-se precisamente o Abílio. E, durante o pequeno-almoço, olhou várias vezes para a Rosinha e para o Cardoso tentando detetar sinais comprometedores. Mas não detetou nada. Tamborilava com os dedos na mesa. E tentava convencer-se de que ciúmes retroativos não fazem sentido.

4 comentários:

  1. Um exemplo de quando o coração não acompanha a racionalidade da mente...

    ResponderEliminar
  2. Pois, ele há revelações...

    Mas se a coisa ficou pelo beijinho, também não será nenhuma tragédia ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não será tragédia? Depende da capacidade de amplificação do ciúme abiliniano :)

      Eliminar