quarta-feira, 30 de novembro de 2011

O Bolero de Ravel

Se é verdade que a paixão intensa por diferentes clubes de futebol pode transformar alguns machos da espécie humana — claramente, parece-me ser mal que ataca apenas os machos — em autênticos inimigos mortais, não é menos verdade que a paixão por um mesmo clube pode ser fator de saudável convívio e integração social. Que me perdoem as mulheres por tal comparação, mas diria mesmo que o comportamento entre homens por causa da paixão por um clube se encontra nos antípodas do seu comportamento por causa da paixão por uma mulher: sendo a partilha algo muito apreciado no primeiro caso, salvo em eventuais exceções de gosto swingueiro, dificilmente o será no segundo.

Ninguém duvide que foi precisamente essa partilha da paixão por um mesmo clube — de elevado quilate, diga-se em abono da verdade — fator preponderante — e essencialmente único — para que o Gonçalo Luís e o Quim tivessem conseguido manter fortes os laços de amizade que os uniram desde a infância. A vida transformou o Gonçalo Luís num homem de sucesso na alta finança e o Quim em herdeiro natural da modesta mercearia do pai. De comum entre eles sobrou apenas um profundo amor pelo Benfica. Os dribles do Chalana, as arrancadas do Isaías, a geometria do Rui Costa ou a magia do Aimar foram, ao longo dos tempos, interpretados e descritos de forma quase coincidente por esses dois amigos de recursos vocabulares e intelectuais tão distintos.

O Estádio da Luz era o lugar onde melhor se entendiam. E onde, de longa data, iam com muita frequência juntos. Sempre no carro do Gonçalo Luís. Numa dessas deslocações para o estádio o rádio ia sintonizado numa dessas emissoras onde passa regularmente música clássica — acho que só há uma e chama-se Antena 2. Em dado momento começou a tocar o Bolero de Ravel.
— Um filme do caraças — diz o Quim.
O Gonçalo Luís estranhou que pudessem estabelecer conversa através do cinema. Ainda menos tendo como intermediária a música clássica. Mas não deixou de responder:
— Sim, sem dúvida, um grande filme!
— Quantos anos?
— Tínhamos uns 15, não?
— Cena espetacular com esta música!
— É, o final é espetacular.
— Final?!
— Sim, a cena da dança e o grande plano sobre a cidade.
— Cidade? Qual cidade?!
— Paris!
— Paris?!
— Sim, a capital da França.
— Eu sei que Paris é a capital da França, pá!
— Mas a cena não é em Paris?
— Não, é na cama!
— Na cama?!
— Sim. Nunca me esqueci. Foi um dos filmes da minha vida durante cinco dias. E só deixou de ser depois que a cassete encravou no leitor de vídeo.
— Estou intrigado. De que filme estás a falar?
— Daquele... com aquela gaja... a Boa Derek, não te lembras?
— Ah... esse filme: «10 - Uma Mulher de Sonho»!
— Isso!
— Não, eu estava a falar de «Uns e os Outros», do Claude Lelouch.
— Esse não vi... é bom?
— Muito. Mas demasiado longo e com pouca ação para o teu gosto.
— Ah...

Não foi ainda esta vez que o Gonçalo Luís e o Quim encontraram outros pontos de contacto que lhes permitisse reforçar a já longa amizade entre eles. O saudável convívio entre os dois continuaria a ser alimentado exclusivamente pela intensa paixão desportiva em comum.

sábado, 26 de novembro de 2011

Notas da semana

Num texto com este título, seria impossível não me referir à Greve Geral desta semana. Na lavagem dos cestos, o que mais se discute são percentagens, infiltrações e quem deu tareia em quem. Infelizmente sinto que, à distância a que me encontro, não posso dar contribuição de valor para o esclarecimento de nenhuma dessas grandes questões. Assim sendo, prefiro dedicar-me a outra não menos importante e vezes sem conta repetida: «greve para quê se não tem efeito prático?»

Convenhamos, dificilmente uma greve terá outro efeito que não seja o de conferir força à luta dos trabalhadores descontentes. O efeito prático de uma greve é quase sempre indireto, e esta não poderia deixar de fugir à regra. Serviria, especificamente, para aquilatar o grau de descontentamento dos trabalhadores em relação às medidas que estão a ser tomadas pelo governo.

Mas talvez a maioria não esteja ainda muito descontente; ou então, acredite piamente no discurso oficial do caminho inevitável; ou então, esteja sem capacidade de prever os efeitos secundários destas medidas austeritárias; ou então, já não se sinta suficientemente protegida pela fraca democracia que temos hoje para ousar fazer greve.

Acresce que os funcionários públicos estão a ser apontados pelos detentores do poder como o grande problema do país e os seus sacrifícios a nível salarial a tábua de salvação. Sem mais. Claro que, sendo por enquanto um problema essencialmente dos funcionários públicos, os outros ainda assobiam para o lado.

O que não sabem é que lá bem no fundo já é um problema de todos. Tanto à escala europeia, como à escala nacional, a similaridade com a situação retratada no poema de Martin Niemöller (muitas vezes erradamente atribuído a Bertold Brecht) já me parece grande:

«Quando os nazistas levaram os comunistas, eu calei-me,
porque, afinal, eu não era comunista.
Quando eles prenderam os sociais-democratas, eu calei-me, 
porque, afinal, eu não era social-democrata. 
Quando eles levaram os sindicalistas, eu não protestei, 
porque, afinal, eu não era sindicalista. 
Quando levaram os judeus, eu não protestei, 
porque, afinal, eu não era judeu. 
Quando eles me levaram, não havia mais quem protestasse.»

E para que consigamos fazer «da nossa falência uma vitória, uma coisa positiva e erguida, com colunas, majestade e aquiescência espiritual», como bem recomendou o desassossegado Bernardo Soares, nada melhor do que deixar aqui referência para aquelas que me pareceram ser as melhores notas desta semana, através voz desse maravilhoso cantor, músico e poeta dos nossos tempos, de seu nome Leonard Cohen: Show Me The Place. Sim, alguém que nos mostre outro lugar, porque a coisa por estes lados está cada vez mais complicada.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O Beaujolais Novo chegou!

Que os franceses têm uma relação muito especial com o vinho eu já sabia. Não tinha era noção de algumas variantes nas manifestações dessa relação afetuosa. E não se pense que a afetuosidade é dedicada apenas às castas mais nobres, pois até o Beaujolais, vinho produzido numa região com o mesmo nome, situada ao norte de Lyon, em geral sem qualidades que o guindem a patamares muito elevados, tem direito a honrarias. Por ser um vinho que deve ser bebido jovem, tem a seu favor a primazia na chegada às lojas, escassos dois meses após a colheita. E manda a tradição que a sua chegada seja anunciada com a frase «le Beaujolais Noveau est arrivée!». Desconhecendo o ritual em torno do Beaujolais Novo, há dias fui vítima da minha própria ignorância, primeiro metendo os pés pelas mãos e depois tendo que meter a mão no bolso.

Cena 1: os pés pelas mãos.
Quarta-feira, 16 de Novembro.
Passando por um pequeno supermercado próximo da minha residência marselhesa já perto da hora do fecho, noto uma mesa estrategicamente colocada junto à entrada, onde alguém arrumava cuidadosamente sobre essa mesa garrafas de várias marcas de Beaujolais Novo. Notando que se tratava da colheita de 2011, pareceu-me boa ideia levar uma ou duas garrafas para casa. Como a nível de preços não havia muita variedade, deixei-me levar pelo poder de atração de um dos rótulos e peguei (erro 1) uma das garrafas. Prontamente, fui repreendido pelo sujeito que arrumava essas garrafas sobre a mesa: só podia comprar desse vinho no dia seguinte. Saí de lá conjeturando que as garrafas não estavam ainda catalogadas para venda (erro 2). Mais tarde vim a saber que a comercialização do Beaujolais Novo começa religiosamente na terceira quinta-feira de novembro. Que profano tentei ser!

Cena 2: a mão no bolso.
Quinta-feira, 17 de novembro.
Saindo com uns amigos (não franceses) para jantar num restaurante, aprecebemo-nos de um movimento anormal em frente a algumas lojas de vinhos na cidade, com mesas sobre a calçada e taças para degustação. Degustação de quê? Do Beaujolais Novo, bien sûr! Chegando ao restaurante, um folheto sobre cada mesa anunciava a presença do ansiado Beaujolais Novo naquele restaurante. Gerada a expectativa, perante a sugestão do empregado para tomarmos daquele vinho, nem paramos para perguntar o preço (erro 3). Sabendo que o Beaujolais não era normalmente vinho para preços muitos elevados (erro 4), a imprudência não podia ter sido muito grande (erro 5). Felizmente, antes de pedirmos a terceira garrafa alguém teve  a sensatez de perguntar o preço. Devo dizer que após termos sido informados dos 27 euros que custava cada garrafa saboreei com outro respeito um último trago que restava no meu copo. Saímos do restaurante com a conta significativamente afetada pelo preço do vinho, mas com a boa sensação de termos tomado um Beaujolais Novo muito especial. Se há prazeres que não se explicam, este foi provavelmente um deles!

Epílogo.
Sexta-feira, 18 de novembro.
Sabendo que, agora sim, estava autorizado a levar para casa o Beaujolais Novo, no fim do dia passei novamente pelo pequeno supermercado perto de casa. Dada a pouca sofisticação do local, nem por sombras muito otimistas esperava ver lá (erro 6) um Beaujolais Novo tão especial quanto o tomado na véspera (a 27 euros a garrafa, é bom lembrar). Mas, para meu grande espanto (entre outras sensações...), nem precisei de procurar muito para facilmente notar a mesmíssima garrafa do vinho tomado no restaurante, agora pela módica quantia de aproximadamente cinco euros! Considero normal tomar vinho num restaurante a duas ou três vezes o seu custo nas lojas, mas esse Beaujolais Novo foi multiplicado por um fator muito próximo dos 5.5. Levando apenas em conta a valorização entre o supermercado e o restaurante, é seguramente o vinho mais fantástico que alguma vez tomei!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Pensamento é fogo (que arde sem ceder)

Pensamento é coisa deveras difícil de controlar. Tanto pode crescer de forma desgovernada até ao limite do absurdo, como estacar num pequeno detalhe e não deixar que nada mais de valor brote do cérebro que o produz. E, por contraditório que possa parecer — tratando-se de pensamento não é —, é facilmente sugestionável: vamos supor que lhe digo para pensar em flores vermelhas. Pensou, não é? E lhe disser para não pensar em flores vermelhas? Também pensou, não é? Em suma, facilmente sugestionável mas dificilmente controlável.

Uma das tarefas mais árduas que conheço é, seguramente, a de tentar adivinhar pensamento — esqueça todos os números de circo que já viu, porque aquilo é tudo combinado. Pior mesmo, só tentar adivinhar pensamento de mulher. Quantas vezes, meu caro amigo, em meio a uma conversa com a sua cara metade — ou lá quanto ela vale —, lhe apeteceu perguntar: «como diabo te foste lembrar agora disso?». Não pergunte, pois parecerá que está — e estará mesmo — a desvalorizar o assunto por ela despoletado em favor do processo lógico que o desencadeou. Por mais interessante que isso lhe pareça, ela não vai apreciar. Nem, tão pouco, tente entender essas coisas por si só: na complicada e singular lógica feminina há um encadeamento de ideias quase inacessível mesmo aos mais dotados cérebros masculinos — homossexuais incluídos. No universo masculino, os objetivos são sempre muito mais claros, os processos são sempre muito mais simples e os temas andam quase sempre à volta dos mesmos (dois ou três) tópicos.

O Francisco, que era um sujeito pouco avisado para essas coisas, conduzia o carro a alta velocidade — praticamente à mesma velocidade com que se espalhava em pensamento... —, enquanto a Glorinha seguia calada a seu lado. E por que motivo se espalhava em pensamento o desavisado Francisco? Ora, sentindo a Glorinha estranhamente calada durante largos minutos, resolveu tentar adivinhar-lhe o pensamento. Pior do que isso: tentou adivinhar a causa e o pensamento. Recuou às últimas palavras que trocaram e, rapidamente, achou que tinha descoberto: «está assim por causa de uma palavrinha azeda que me escapou... é óbvio que só pode ser isso... mas não pode ser isso... que mal tem isso de uma palavrinha azeda aqui ou ali?... um homem não é propriamente uma refinaria de açúcar!... estas reações dela por palavrinha de nada são cada vez mais irritantes!!... estão a tornar-se insuportáveis!!!... como é que a Glorinha pode agir assim comigo?!!!...»

Tudo isto e muito mais foi produzido numa súbita enxurrada de pensamentos pelo Francisco. Quando o crescendo de pensamentos — espiralando em torno do mesmo tema — já o levava perto da situação absurda de pensar pedir o divórcio da mulher que amava, surge uma inesperada interpelação:
— Chico?
— Sim.
— Vinha aqui a pensar...
— Sim?
— Sobre aquele problema que te falei ontem: acho que vou fazer como sugeriste.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

O negócio dos saquinhos

Mesmo quem muito viaja de avião poderá não estar consciente de todas as variantes possíveis no filão dos negócios aeroportuários. Especialmente fulanos como eu que, com muita frequência, por lá passam exilados no mundo das ideias.

Há dias fiz uma viagem entre Marselha e Lisboa, com ida num domingo e volta na terça-feira seguinte. Para abreviar procedimentos na partida e na chegada, optei por levar apenas bagagem de mão. Ciente das restrições para certo tipo de produtos a bordo, tive o cuidado de deixar as armas brancas (e outras) em casa e de não levar líquidos em volumes superiores aos 100ml permitidos por lei. Em Marselha, coloquei a pequena mala na esteira rumo ao raio X e nem o facto de ser eu o único passageiro por lá naqueles minutos fez com que quisessem mostrar serviço. «Bon voyage!», foi tudo quanto me disseram.

Dois dias depois, o embarque em Lisboa: uma enorme fila de passageiros antes do raio X e um grande contingente de seguranças da Prosegur junto às esteiras para rastreio da bagagem de mão. Instruíam os passageiros que devia ser retirada da bagagem de mão todo e qualquer líquido, mesmo líquidos em volume abaixo dos 100 ml permitidos. Ordem recebida, ordem cumprida: de imediato, retirei o pequeno estojo com os objetos de higiene, asseio e perfume do interior da minha pequena mala. 
– Não não, meu senhor, tem que colocar essas coisas dentro de um saco transparente! – esclarece o diligente segurança.
– Bom... mas... não tenho nada disso.
– Lá atrás – aponta o segurança para um primeiro ponto de controle de passageiros – tem uma máquina com sacos.

«Lá atrás» significava ter que regressar ao ponto de partida e voltar a encarar aquela enorme fila. Sem outra opção, lá fui eu, de mau humor, em busca da tal máquina dispensadora de sacos. É bom que fique claro que não me refiro a sacos num material muito especial ou com um fecho não sei das quantas. Não. Refiro-me àqueles banais saquinhos plásticos que facilmente se encontram aos pacotes de 50 ou 100 em qualquer supermercado, ao preço de um ou dois euros (os 50 ou 100, claro), muito úteis para guardar produtos no frigorífico ou no congelador.

No aeroporto de Lisboa (imagino que noutros também, mas foi este o primeiro onde senti o problema) esses saquinhos tornaram-se uma boa oportunidade de negócio. A ideia da máquina é a seguinte: deposite um euro e receba em troca um saquinho. Como tenho uma certa aversão a alimentar ideias oportunistas, optei por me dirigir de novo ao balcão da companhia aérea e despachar como carga a bagagem que deveria ser de mão. Correndo o sério risco de ver danificada (e nem sempre ressarcido pela companhia) a frágil mala, é certo. Mas preferi arriscar ter que gastar 50 euros numa mala nova, a contribuir com um euro para um negócio obsceno como esse. No final das contas, em caso de má sorte, o prejuízo já só seria de 49 euros (2% de desconto estava desde logo garantido!).

A mala chegou bem, obrigado.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Entre a loucura do telefone e os encantos da powerbox

«Insanidade: fazer a mesma coisa repetidas vezes 
e esperar resultados distintos»
A. Einstein

O casal encontra-se confortavelmente instalado no sofá da sala a explorar os inúmeros encantos da powerbox, quando o telefone toca. Ele levanta-se e vai atender. Regressando ao sofá – e aos encantos da powerbox – é interrogado por ela:
– Quem era?
– Ninguém... foi engano.
Volvidos alguns minutos o telefone volta a tocar. Ele levanta-se e, mais uma vez, vai atender. No retorno ao sofá – e aos encantos da powerbox – é novamente questionado por ela:
– Quem era?
– O mesmo de há pouco. Procura um tal de Dr. Amorim.
– Perguntaste-lhe para que número estava a ligar?
– Sim.
– E então?
– Disse o nosso.
– Estranho...
Não demorou muito para o telefone voltar a tocar. Ele levanta-se pela terceira vez e, com cara de poucos amigos, vai atender. Quando regressa ao sofá, nem espera que ela o questione para lhe dizer com visível irritação:
– Que fulano louco! Insiste em ligar para cá à procura do tal Dr. Amorim.
– Muito louco...
Já sem ambiente para explorarem os encantos da powerbox, a atenção do casal fica agora centrada nos enigmáticos telefonemas. E o telefone toca pela quarta vez. Desta feita, ela levanta-se primeiro e vai atender. Na volta confirma:
– O mesmo. Procurando o Dr. Amorim.
– Que loucura! Melhor desligar o telefone.
– Deixa, pode ser que agora não ligue mais.
– OK.
Os minutos passam, o telefone não volta a tocar e eles podem de novo desfrutar dos encantos da powerbox. Aos poucos, a serenidade do casal começa a ser ameçada por uma certa inquietação dele. Notando-o inquieto, ela pergunta:
– Que tens tu?
– Estou intrigado...
– Com quê?
– Com a história dos telefonemas.
– Imaginei...
– Como é que conseguiste despachá-lo?
– Fácil: já atendi dizendo que era do consultório do Dr. Amorim, especialista em psiquiatria.
– Que disse ele?
– Que precisava de falar com o Dr. Amorim.
– E como é que o despachaste?
– Disse que o Dr. Amorim tinha ido de férias e só regressa no final do mês.