quarta-feira, 23 de maio de 2012

Cotovelos

Os cotovelos são das partes mais injustiçadas do corpo humano. Trabalham que se fartam o tempo todo (podendo chegar ao ponto de serem revestidos por uma pele que mais parece de paquiderme), dão trombadas com elevada frequência (que lhes causam dores terríveis) e depois são utilizados numa metáfora para um sentimento tão vil como o da inveja. Ou numa outra para a tagarelice.

Em nome de alguma justiça corporal, os cotovelos mereceriam de todos nós maior consideração (além de lubrificações regulares com creme para diminuir a aspereza da pele). Enaltece-se o aspeto e desempenho de olhos, boca, mãos, pernas e outras partes que nem preciso mencionar, mas que valor se dá aos cotovelos? Eu contra mim escrevo: em toda a minha vida não tive mais do que três momentos de ponderação sobre a importância dessas articulações. E o terceiro deles foi agora mesmo para escrever este texto.

O primeiro momento de consciência sobre o valor dos cotovelos tive-o numa idade compreendida entre a suficiente para já saber o que queria e a insuficiente para ter o que gostaria. Estudava com uma colega relativamente desenvolvida para a idade (e particularmente avantajada quanto a determinado atributo físico). No momento em que ela, do meu lado direito, se debruçou para entender melhor algo que eu escrevera no meu caderno (talvez a solução de uma equação de grau elevado para a época...), o meu cotovelo direito experimentou uma das sensações de contacto interpessoal mais excitantes até essa idade. Não foi muito, mas por vezes é em pequenos detalhes inesperados que residem os maiores prazeres. E este obtive-o através do cotovelo. O direito.

A história anterior não é das melhores, mas enaltece o valor do cotovelo no despertar para as sensações de prazer num adolescente. E já que chegou até este ponto (muito obrigado!) merece ser recompensado com uma história mais edificante. 

O segundo momento em que fui levado a meditar sobre a importância dos cotovelos foi na minha primeira visita ao Brasil. Decorria uma campanha televisiva sobre algo que, julgo eu, andaria em torno da solidariedade. Algumas personalidades apareciam esporadicamente na televisão a contar pequenas histórias que tocassem (sentido figurado!) o telespectador. Uma dessas histórias foi contada por Tom Jobim. Versava sobre um homem que, tendo morrido, antes de seguir a merecida trajetória, foi conduzido (por S. Pedro, suponho) a visitar o inferno e o céu. Chegado ao inferno, viu uma enorme mesa, cheia de comida e bebida (tudo do bom e do melhor) e muita gente à volta da mesa a olhar a comida sem poder tocá-la, apesar do ar faminto de todos eles. Motivo? Todos tinham os cotovelos ao contrário. Um inferno. Posteriormente o homem foi levado ao céu. Aí observou aquela que, num primeiro relance, lhe pareceu ser uma cena igual à do inferno: uma enorme mesa, comida e bebida à farta sobre uma enorme mesa e muita gente ao redor da mesa com os cotovelos ao contrário. Não escondendo o espanto pela semelhança com o que acabara de observar no inferno, foi alertado para um detalhe que lhe escapara: cada um utilizava os seus braços para alimentar o vizinho do lado.

5 comentários:

  1. É de facto essa a diferença entre o céu e o inferno: a forma como cada usa os cotovelos! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico sem saber onde enquadrar o meu desfrute da adolescência... Pareceu-me algo divino! Será mesmo? :)

      Eliminar
    2. Sim, acho que podes enquadrar como algo de divino... :)

      Eliminar
  2. =) Bem, não posso passar sem falar sobre o sorriso tecido com a doçura da sua primeira vivência com os cotovelos.
    Anda muita gente sem usar os cotovelos neste mundinho que, ainda, não é o inferno! E a maravilha dessa história leva-nos a constatar que não estamos no inferno, caso restasse alguma dúvida, uma vez que nos podemos congratular com uma breve reflexão... e pensar em começar a usar os cotovelos de forma mais aprazível, para nosso bem e para de quem nos rodeia!

    Uma boa semana aí no seu exílio ;)

    Ps- Acho piada a uma expressão que os oftalmologistas usam com alguma frequência, que não estando directamente (que se lixe o acordo) relacionada com a história, me veio à lembrança e que surge na sequência de algumas recomendações - "Pode coçar os olhos só com o cotovelo!"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está a ver? Até os oftalmologistas utilizam os cotovelos para galhofar!... Eu bem digo... :)

      Boa semana!

      Eliminar