quarta-feira, 20 de junho de 2012

Hoje é o dia...


Hoje é o dia em que milhares de portugueses começam a sentir nos seus rendimentos o roubo legitimado por um governo eleito com base numa campanha eleitoral mentirosa, liderado por um aldrabão que, três meses antes de ser eleito, qualificou como um disparate aquilo que uns dias após a eleição adotou como medida imprescindível.

Hoje é o dia em que o orçamento familiar de muitos portugueses sente a amputação imposta por um governo liderado por um sujeito que apregoa o esforço, mas ascendeu na vida com base no compadrio e na capacidade de colar cartazes, terminando a sua licenciatura aos 37 anos de idade.

Hoje é o dia em que o estado português trai a confiança de muitas pessoas que se esforçaram desde cedo, estudaram com afinco, foram além das suas obrigações, deram aquele passo que só os mais capazes e esforçados conseguem dar, chegaram mais alto com base no mérito, passaram em concursos não padecendo das mesmas moléstias que assolam os apadrinhados pelo poder.

Hoje é o dia em que os corruptos à solta ainda se banqueteiam com a elite política, alheios aos malefícios de uma crise que toca a todos menos a alguns, doa a quem doer exceto a quem nunca dói.

Hoje é o dia em que o país fica efetivamente mais pobre, porque pune muitos dos mais competentes, sem demonstrar a mesma eficiência na eliminação dos parasitas!

4 comentários:

  1. Na mesma época em que se decide a implementação de uma medida agressiva como o corte dos dois salários, somos inundados com notícias sobre a forma como se lambuzam na gamela do estado as empresas dos protegidos do regime. Só um povo muito passivo para aguentar tudo isto!

    ResponderEliminar
  2. E a partir de agora vão doer mais a sério, isto para que ainda não lhe doeu muito.

    ResponderEliminar
  3. Agora foi o Rajoy que disse no parlamento espanhol: «Disse que ia baixar os impostos e afinal vou subi-los. Mas as circunstâncias alteraram-se». Portanto, a aldrabice parece ser uma condição sine qua non para se ganharem eleições. O Obama também disse recentemente que os impostos sobre os ricos deveriam subir. Para além de nos EUA (e cá?) não ser possível vencer ou sequer concorrer a eleições sem o apoio dos ricos, que são quem as patrocina, trata-se talvez de mais uma promessa que nunca será cumprida. Às vezes pergunto-me porque é que os políticos mentem, se as eleições, como sabemos, são ganhas ora por um, ora por outro dos dois principais partidos e nas últimas estava na altura de mudar. Mas, se é mesmo necessário mentir para se ganhar, porque é que as pessoas acreditam em promessas que já se sabe que não são para cumprir? Seremos uns totós? Às vezes quase tenho saudades do PEC 4 que provocou a queda de Sócrates, mas se não tivesse havido eleições provavelmente já estaríamos no PEC 7 ou 8. Entretanto, os ricos, nomeadamente os banqueiros (e os ladrões do BPN), que são quem efectivamente governa (os políticos são apenas uns reles serventuários deles) engordam diariamente as suas fortunas, cá como no resto do Mundo. Onde irá isto parar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, a aldrabice foi instituída como prática corrente de alguns políticos. Não sermos "totós" na hora do voto é condição sine qua non para mudarmos o rumo atual, mas infelizmente boa parte da população está muito pouco esclarecida. Onde isto irá parar não sei, mas reza a História que não é a muito bom lugar. Vale a pena ver o vídeo abaixo para que se entenda podridão em que está mergulhado o nosso país:
      http://www.youtube.com/watch?v=WOrv8IH1ZB0

      Eliminar