quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Brassica napus

Há pouco mais de um ano a crise do açúcar quase comprometeu a qualidade das minhas iguarias natalinas. De tempos a tempos a crise dos cereais compromete o preço do meu pão de cada dia. E atualmente só não estou mais preocupado com a crise da chuva em Portugal porque aqueles que nas últimas décadas desgovernaram o país (alô alô senhor presidente!) resolveram acabar com boa parte da nossa dependência da agricultura nacional. Ele ainda há males que vêm por bem...

Estas vicissitudes agrícolas trazem-me por vezes ao pensamento uma conjunção interessante: uma viagem de carro pela Alemanha e uma canção do Fausto Bordalo Dias. Nessa tal viagem (primaveril) realizada há alguns anos pude constatar como era notório o contraste entre o aproveitamento dos campos alemães e dos baldios portugueses. Relegando questões de soberania, saúde democrática e brio patriótico para segundo plano, arriscaria até afirmar que se o atual tutorado germânico sobre os inimputáveis governantes lusitanos tivesse sido implementado antes mesmo do começo do desmantelamento da nossa agricultura (e pescas, por que não), talvez a pouco enobrecedora supervisão financeira de hoje em dia não impusesse um garrote tão apertado sobre estes desgovernados portugueses. Outro mal que teria vindo por bem...

No meu périplo pela Alemanha foi grande o deslumbramento com o colorido dos campos nessa época do ano, num tom de amarelo vivo, em vasta área do território por mim percorrido. Não sendo eu um grande especialista em assuntos agrícolas, também não sou propriamente aquilo a que se possa chamar de um nabo. E das culturas de grande escala por mim conhecidas, não via nenhuma com o dom de conferir tamanho colorido amarelo à paisagem. A curiosidade foi aguçando o espírito. Aguçou tanto que se tornou insustentável: tive que parar o carro e acercar-me para inspecionar de perto a planta.

Dentre o rol de plantas catalogadas na minha (nem tão reduzida) memória agrícola, a que mais se assemelhava ao que eu acabava de observar era a couve-nabiça. Não pude conter uma interjeição de espanto, pois dos meus (também nem tão reduzidos) conhecimentos em culinária germânica não constava uma especial predileção dos alemães por uma das preciosidades da cozinha portuguesa: os grelos. Se curioso parei o carro, mais curioso arranquei.

Só uns dias mais tarde, já com a ajuda de amigos mais cultos do que eu em agricultura, vim a saber que o que conferia aquele tom de amarelo vivo aos campos alemães era efetivamente uma planta chamada brassica napus, também designada por colza ou couve-nabiça! De acordo com fonte de conhecimento wikipédico, trata-se de «uma planta de cujas sementes se extrai o azeite de colza, utilizado também na produção de biodiesel. As folhas da planta servem também de forragem para o gado (pelo que é cultivada em muitos países) por seu alto conteúdo em lípidos e conteúdo médio em proteínas».

Ah, já me esquecia: a canção do Fausto é aquela onde a dado trecho ele canta «se não há grelos no mercado, há bons nabos no hemiciclo».

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Light my fire

Miro Costa era o nome de um grande artista. Faltava-lhe o CD para a merecida consagração a nível nacional, é certo, mas, como é sabido, nessas coisas os apadrinhamentos nem sempre brindam os mais talentosos. Festas de santos populares, romarias e, principalmente, festas de casamento na região eram os locais onde o Miro Costa, acompanhado dos seus sintetizadores, exibia os dotes vocais e o talento de um músico de eleição. Ao bom estilo do one man show.

O Miro Costa tinha gosto e clarividência suficientes para tocar conforme o baile. E sabia escolher os hits certos para cada ambiente. Chegava a arriscar uma ou outra composição própria, mas era com hits consagrados pelos seus pares internacionais que levava o seu público à loucura. Em casamentos da alta sociedade, quando o álcool já produzia os devidos efeitos, Light my fire, dos Doors, era tiro certo. A apoteose acontecia depois do solo em acordes menores, quando o Miro Costa voltava à carga com a sua potente voz no refrão em tom maior. Era a loucura total.

O Miro Costa nunca soube a mão que efetuara o lançamento, mas num desses momentos chegou a cair-lhe no teclado um sutiã. Talvez tenha sido mesmo esse o momento de sucesso mais explícito para um observador externo, mas vezes sem conta sentia o calor de um público que, além de o apreciar como artista, o desejava pelo seu sex appeal. Os assédios eram frequentes   mais da parte do público feminino  , sendo muito o proveito que daí retirava, por vezes com a terrível missão da escolha   e nem sempre o género era fator decisivo. Em suma: um verdadeiro artista!

Episódio digno de registo aconteceu-lhe num casamento da alta sociedade. Começou precisamente no momento do tal crescendo de menor para maior do Light my Fire. O êxtase dos dançantes na sua frente foi de tal forma generalizado que até a noiva lhe fez um gesto depravado. Com a língua.

No dia seguinte o Miro Costa recebeu um telefonema:
— Miro?
— Sim... eu mesmo.
— Come on baby, light my fire...
 Quem é?
 A Paula.
 Paula?
 A noiva de ontem...
 Ah, sim... então onde está?
— Em casa...
Em casa?! Não viajou em lua-de-mel?
 Não, Miro, já morávamos juntos há anos. O casamento foi só para agradar à família.
 Ah...
 Come on baby, light my fire...
 Vejo que gostou...
 Não, Miro... quer dizer... sim... mas come on baby, light my fire...
 Como?!
 O Roberto saiu e só volta à noite... come on baby, light my fire...
 Não estou a entender!
 Não está mesmo?!
 Quer dizer, estou, mas...
 Ai Miro, Miro, não se deixe inibir pelas convenções da classe média! Alta sociedade é diferente, funciona noutros moldes!

O Miro Costa  ficou calado por uns instantes. Refletiu  a referência a uma particularidade da alta sociedade fez o seu lado de artista entrar em reflexão. Sabendo que o marido estaria ausente até ao final do dia, decidiu comparecer para acender  e apagar, obviamente — o fogo à carente recém casada.

Pouco tempo mediou até ao comparecimento. Já se encontrava de joelhos em frente a ela quando inesperadamente — para o Miro, apenas — irrompeu no quarto o recém casado, com o seu enorme corpo másculo — mas andar e trejeitos de nem tanto — cantando come on baby light my fire. E, num tom de voz ao mesmo tempo seguro e insinuante, afirmou:
— Meu caro, parece-me que só tem uma saída...
E não se referia à porta. Nem à janela.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Um novo santo

O senhor Armindo esperava o padre à saída da sacristia após a missa matinal.
— Senhor Padre, posso dar-lhe uma palavrinha?
— Pode sim, senhor Armindo. Diga lá.
— Hoje Deus falou comigo.
— Muito bem, senhor Armindo. Prestemos sempre atenção à voz de Deus.
— Não, senhor Padre, hoje foi diferente. 
— Como assim, senhor Armindo?
— Deus apareceu-me num sonho.
— Ai sim? E que lhe disse Deus, senhor Armindo?
— Disse-me que eu sou santo.
O padre esboçou um ligeiro sorriso.
— Foi só um sonho, senhor Armindo, não dê muita importância a isso.
— Diga-me uma coisa, senhor Padre: há algum Santo Armindo?
— Assim, de repente, não estou a ver.
— Pois!
— Pois o quê, senhor Armindo?
— Deus já arranjou santos para quase todos os nomes, mas ainda falta o meu.
— Senhor Armindo, a santidade não vem por aí. Vá à sua vida, vá.
Contrafeito, o senhor Armindo lá foi.

No dia seguinte, o senhor Armindo voltou a esperar o padre à saída da sacristia após a missa matinal. Agora acompanhado da mulher.
— Por aqui de novo, senhor Armindo?
— Deus voltou a falar comigo, senhor Padre.
— De novo em sonho?
— Sim, senhor Padre.
— E que lhe disse desta vez?
— O mesmo de ontem: que eu sou santo.
Neste momento, a mulher do senhor Armindo resolve dar o seu testemunho:
— É, senhor Padre, eu acordei com o meu Armindo a falar com Deus.
— E como sabe a senhora que ele estava a falar com Deus? — pergunta o padre.
— O meu Armindo disse-me, senhor Padre. E ele nunca mente.
— Meus caros, não é assim. Para a santidade a Igreja exige um milagre! Vão à vossa vida, vão.
Contrafeitos, o senhor Armindo e a mulher lá foram.

Ao terceiro dia, esperavam o padre o senhor Armindo, a mulher e um grupo de vizinhos da aldeia. O padre entendeu que a coisa estava a ficar séria.
— O senhor Armindo vai-me dizer que Deus voltou a aparecer-lhe num sonho?
— Adivinhou, senhor Padre!
— E voltou a dizer-lhe que o senhor é santo?
— Ora, nem mais!
— Diga-me lá de uma vez por todas: o que pretende com isto, senhor Armindo?
— Pouca coisa, senhor Padre: apenas uma estatuazinha em algum canto da igreja e que passe a dizer o meu nome na ladainha dos santos.
— E uma romaria em honra de Santo Armindo — diz uma voz lá de trás.
— Apoiado! — acrescenta outra voz.
— Valorizemos o santo da terra! — reclama uma terceira voz.
— Amém — dizem todos em coro.
— Caríssimos, vou ter que falar com o bispo — acrescenta o Padre. E prossegue: — Mas fiquem sabendo que não há canonização sem evidência de um milagre.
— É bom que mudem isso, porque o Armindo enjoa — replica uma voz lá de trás.
— Enjoa? — pergunta o padre.
— Sim. E por isso nunca viaja — responde a mesma voz.
— E que tem isso a ver com o caso? — pergunta o padre admirado.
— Santos da casa não fazem milagres...

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Alguma coisa acontece no meu coração

Uma das mais emblemáticas canções dedicadas à cidade de São Paulo foi escrita e composta pelo baiano Caetano Veloso, em finais da década de 70. Intitulada pela forma como carinhosa e abreviadamente é denominada a cidade, Sampa, começa com as palavras «alguma coisa acontece no meu coração, que só quando cruza a Ipiranga e a Avenida São João. É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi, da dura poesia concreta de tuas esquinas, da deselegância discreta de tuas meninas». Pese embora um certo exagero poético — simultaneamente pouco generoso para com muitas paulistanas de elegância indiscreta e lisonjeiro para com muitas outras de deselegância também indiscreta —, Caetano, com estas palavras, descreve aquelas que serão certamente as primeiras impressões de muitos forasteiros que começam a aventurar-se nesta enorme selva de pedra.

Eu já tinha passado duas vezes por São Paulo, ambas de forma muito fugaz. Em nenhuma delas com tempo suficiente para cruzar a tal Ipiranga com a Avenida São João. Agora, com uma estadia de duas semanas, tive finalmente tempo suficiente para calcorrear algumas das avenidas do centro da cidade e avaliar o que acontece no meu coração. Talvez eu também nada tenha entendido sobre este novo Brasil, mas de um país que é apontado como um dos exemplos de sucesso do nosso descompensado mundo, esperava ver no coração da sua maior cidade menos gente a dormir pela manhã num coreto da Praça da República — também cruzada pela tal Ipiranga —, menos gente a viver debaixo de viadutos em pleno centro, menos gente a viver das sobras mendigadas de quem passa.

Sou suficientemente bom conhecedor da realidade brasileira — desde os primeiros anos da década de 90 — e sei que mudar a fisionomia das suas principais cidades leva o seu tempo. Mas também sou suficientemente bom conhecedor de cidades americanas como Chicago, Nova Iorque, São Francisco ou Washington DC para saber que nesse sistema que orienta os passos do Brasil o comboio do desenvolvimento também deixa para trás um enorme contingente de excluídos. Um sistema com excelentes sistemas de saúde e de educação para quem tem dinheiro, mas que deixa muito a desejar ao nível do investimento público nessas áreas. Diria mesmo que é um sistema demasiado darwiniano: muito pouco complacente para com os mais fracos.

Não pude deixar de refletir sobre a realidade portuguesa. Em particular, sobre as recomendações de alguns desgovernados governantes que exortam os portugueses a buscarem este novo eldorado. Não se ignore que a realidade brasileira ainda comporta várias realidades. Trata-se de um país que cresce a nível macroeconómico, onde a classe alta colhe os seus dividendos, mas a classe média continua a ter que fazer muitas contas à vida para conseguir ter um padrão de vida minimamente decente com planos de saúde, escola privada para os filhos, transportes privados para o trabalho e créditos a juros altos para a casa, o carro e o LCD na sala de estar.

No momento que em Portugal tentam impingir-nos como inevitável o desmantelamento do sistema público de saúde, tal como o temos, antes de aceitar essa suposta inevitabilidade, gostaria de ver este autoproclamado governo de corajosos com coragem suficiente para estancar certas parcerias com privados, que à sombra de contratos ruinosos para o estado cavam a sepultura da saúde pública e abrem alas para futuros negócios ainda mais rentáveis. Este primeiro-ministro, que faz alarde de ter ido muito além da troika no que concerne aos cortes salariais da função pública e ajuste das leis laborais, neste particular perde a coragem e deixa-se ficar aquém das recomendações troikianas. E aquém de algumas das suas próprias promessas. Que Caetano me perdoe a deturpada usurpação, mas alguma coisa acontece no meu coração, que só quando cruza as promessas com os atos de algum aldrabão.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

O pastel de Belém e a cavaca

Há dias, revia algumas fotos de uma das minhas três visitas de quinze dias à China. Detive-me a olhar uma que tirei a um painel publicitário da KFC, multinacional norte-americana especialista em sobreasas de frango fritas. Curiosamente, no painel publicitário não era apresentada nenhuma imagem desse produto que notabiliza a KFC — a sobreasa de frango frita —, mas, pasme-se!, o pastel de nata — ou de Belém, como preferir.

Inevitavelmente, o meu pensamento foi, de imediato, conduzido até ao Álvaro. Esse que carrega, que nem cruz, uma das pastas ministeriais mais pesadas em tempos de crise: a de Ministro da Economia. Quando Portugal era um país aproximadamente rico, bastava estimular — financeiramente, claro — a produção em série de uns Magalhães ou umas atividades culturais no Allgarve e a coisa fluía. Agora que não temos dinheiro para mandar cantar um cego, exige-se de um Ministro da Economia maior visão, mais rasgo, enfim, melhores ideias. Em particular, ideias que não exijam ao Estado grandes investimentos financeiros.

Na minha atividade profissional como matemático puro — a pureza refere-se à especificidade da Matemática que produzo, não a mim. Longe disso! — conheço muito bem a dificuldade de comunicar uma grande ideia em abstrato. Por isso, ao contrário dos maledicentes que não conseguiram enxergar a grandiosidade da ideia do Álvaro e se quedaram pela malsucedida concretização no pastel de nata, eu tive a generosidade de ir mais longe. O ponto importante não é o exemplo específico com o qual ilustrou a sua brilhante ideia, mas a generalidade: a doçaria portuguesa. Alguém irá negar que temos uma doçaria de fazer água na boca a muito boa gente por esse mundo fora? E se queremos realmente muita gente, não podemos deixar de fora o mercado chinês. E se queremos conquistar o mercado chinês, não podemos querer conquistá-lo com o pastel de Belém, pois a KFC chegou lá antes.

Foi neste ponto que dei por mim a tentar descobrir, dentre os nossos doces, aquele que melhor combinará com essa enorme legião de potenciais consumidores asiáticos. Nas minhas estadias de três quinze dias em território chinês apercebi-me de que eles não são muito chegados a produtos lácteos — estará a KFC a ter sucesso com o pastel de nata? — nem a ovos frescos — os melhores ovos que por lá comi tinham sido deixados a apodrecer durante dois ou três meses. Dessa forma, iguarias como baba de camelo, barrigas de freira, ovos-moles, papos de anjo ou pudim abade de Priscos não são boas apostas. 

Doces nacionais parcos em ovos ou produtos lácteos são muito raros. Mas alguns existem. Um dos primeiros que me veio à ideia foi a cavaca. Já que a KFC nos retirou margem de manobra para o sucesso com a exportação do pastel de Belém para o mercado chinês, que tal apostarmos na exportação da cavaca?